Padastro é preso acusado de engravidar enteada de 11 anos, mesmo sabendo que é portador do vírus da Aids - Portal Tem de Tudo Tocantins

Publicidade

Post Top Ad

Padastro é preso acusado de engravidar enteada de 11 anos, mesmo sabendo que é portador do vírus da Aids

Share This



Após as investigações da equipe da Delegacia Especializada da Criança e Adolescente de Tocantinópolis (DECA), a Polícia Civil prendeu na tarde desta quarta-feira, 15, Hélio Vieira Cardoso de 40 anos, por estupro a vulnerável. Ele é suspeito de manter relação sexual com sua enteada, de 11 anos e engravidá-la.
 Helio Vieira relatou que tudo acontecia sob a conivência de sua própria companheira, e que aos 11 anos, após a criança engravidar, a própria mãe teve a ideia de inventar a estória de que a filha havia engravidado de um outro homem na cidade de Porto Franco (MA), para não levantar a suspeita sobre ele.
O crime só foi descoberto porque vizinhos do casal desconfiaram da gravidez repentina da menina, e assim acionaram o conselho tutelar que por sua vez noticiaram a suspeita do crime ao delegado regional que começou a investigar o caso.
De acordo as investigações, a criança/vítima informou que durante as manhãs, enquanto sua mãe estava trabalhando, o seu padrasto Helio mantinha relações sexuais com ela sem o uso de preservativo e assim ela engravidou.
Ao ser ouvido, o acusado contou para a autoridade policial que realmente mantinha relação sexual com a sua enteada, e que o relacionamento havia iniciado quando a menina tinha apenas 09 anos de idade, contando ainda que ele carrega em seu corpo o vírus HIV, e que durante as relações sexuais com a vítima ele não usava preservativo.
Helio foi mais longe ao contar sobre o caso, já que ele disse que há tempos sua companheira sabia que o mesmo se relacionava sexualmente com a filha, mas que nada fez. "Foi dela a ideia de inventar que a filha engravidou na cidade de Porto Franco (MA)." Delatou o acusado.
Diane de todas as informações conseguidas pelo delegado, o Ministério Público se manifestou pedindo a prisão temporária de Helio Vieira e também de sua companheira pelo prazo de 30 dias, requerendo expressamente que após a prisão dos dois, estes sejam alojados em celas separadas dos demais presos para fins de garantir suas integridades físicas, em virtude da natureza do crime. 
Diante do pedido do MP, o Juiz de Direito Dr. Helder Carvalho Lisboa decidiu que, "A prisão temporária e a busca pessoal e domiciliar do representado é necessária para as investigações do inquérito policial e também para colher provas da infração ou qualquer outro elemento de convicção, em especial de conduta que deixe mais evidente a responsabilidade da mãe da vítima". Relatou o meritíssimo.
Dano continuidade em sua decisão, o magistrado determinou a Prisão Temporária pelo prazo de 30 dias, expedindo ainda um mandado de busca e apreensão pessoal e domiciliar com todas as cautelas devidas. Finalizando o documento o Juiz determinou que o representado fosse alojado com cautela em razão da doença que afirma possuir e também com a finalidade de garantir sua integridade física.
Nossa equipe de reportagem acompanhou o momento da diligência que culminou na prisão do acusado no setor conhecido como Conjunto Santa Rita em Tocantinópolis. Hélio foi encontrado numa residência visinha a que ele morava com a companheira e a menor abusada sexualmente. Já na cadeia pública indagado se o mesmo gostaria de se defender o acusado respondeu que não tinha nada a declarar.
O Delegado Regional Dr. Tiago Daniel nos concedeu uma entrevista exclusiva logo após a prisão do indivíduo sem escrúpulos, explicando como tudo ocorreu durante as investigações, bem como o delegado aproveitou a ocasião para reforçar o pedido de ajuda a sociedade através das denuncias, como foi o que aconteceu neste caso de crime hediondo. "Mais uma vez quero agradecer e pedir o apoio da sociedade, o apoio das pessoas que muitas vezes nos ajudam neste tipo de caso, pois muitas vezes as pessoas veem o crime dentro da própria casa e não querem comentar, mais é importante a ajuda da comunidade, que neste caso de hoje na prisão do Helio, grande parte do êxito foi em razão da denuncia que as pessoas fizeram pra gente, seja de forma anônima, ou seja de forma que a pessoa se identifique, pra gente não tem problema, o importante é que nos ajude para que a gente consiga diminuir os índices de criminalidade em nossa cidade". Finalizou o delegado.
Informações: Toc Noticias

Post Bottom Ad